24 de jan de 2009

Tomo de bolso

.

Abre as páginas de um livro velho e antigo

e sente o perfume das traças aclamadas pelo grande público

Com mãos sufocadas no bolso, o Homem observa as aventuras

que poderia ter usufruído, não houvesse medo de arriscar

pisar fora da monotonia de um dia que já dura a vida


O personagem zomba do leitor

É a criatura logrando seu criador

Sendo mais do que ele sempre foi


O Homem não solta a capa dura do livro em sua mira sedenta

Ousa viver circunspecto

enquanto escreve poemas

mais valorativos que toda uma vida


Pela palavra,

o herói salva o mundo apocalíptico do Homem,

pelo cujo homem

.


5 comentários:

Jorge Elias disse...

Sempre que leio um bom livro costumo fazer um carinho na capa antes de colocá-lo na instante (fetiche).
Ritual não possível diante de uma publicação virtual.
Quanto ao texto que vc leu, após uma leitura mais detalhada (infelizmente após já të-lo divulgado), me fez ver que carecia de clareza (talvez muitas citações desnecessárias).
De qualquer forma, é o que vc disse: escrever mais para alcançar uma melhor síntese.
Acabei o terceiro poema da trilogia sobre GAZA que vou postar esta semana.

Um abraço,

Jorge

PS: e os encontros literários, vai rolar algo interessante?

Dauri Batisti disse...

Pela palavra o heroi salva o mundo, o vassalo salvo o mundo, o comum salva o mundo. Se sem que não tenho certeza. Talvez...

Dauri Batisti disse...

Se bem que não tenho certeza.

Graça Pires disse...

"personagem zomba do leitor
É a criatura logrando seu criador"
Gostei desta imagem. O mundo foi criado através da palavra... Através dela se salvará?
Um abraço.

anareis disse...

Estou fazendo uma campanha de doações para criar uma minibiblioteca comunitaria na minha comunidade carente aqui no Rio de Janeiro,preciso da ajuda de todos.Doações no Banco do brasil agencia 3082-1 conta 9.799-3 Que DEUS abençõe todos nos.Meu e-mail asilvareis10@gmail.com