22 de dez de 2008

.
Hoje descobri que ela parece ser realmente minha amiga. Não desejo concatenar, aqui, as ocorrências relativas ao passado nosso. Apenas confabular um pouco com este papel e descobrir o coberto. Vasculhar esse cofre de mistério que é a mente e o sentimento humanos. Porque tenho mania má de escurecer as coisas de mim. Ela me decepcionou certa vez, sim, ninguém pode se relacionar com outro sem passar por essas... situações. Bem fui cuidadoso e não a agredi com palavras. Fiquei foi triste. Taciturno por uns três dias. Até que superei. O tempo cura. Se não curar, não tenho qualidade mnemônica louvável. A gente tem de se lembrar os momentos em que o amigo foi amigo e esquecer as mazelas políticas de único infortúnio. Pois então. Esqueci nada: sarei. Nem contei a ela. Deixa estar. Um dia se percorre tantas pessoas que a gente aprende a separar gostar de gostar. Fico pensando se já assimilei a disparidade desse sentimento-ação, porque é verbo. Cri que sim, até aqui. Vejo verdade nos olhos dela. Sinceridade nas palavras. Elas machucam, às vezes,: a sinceridade e a verdade. Doravante tiro minha dúvida. Não é fácil desomitir nossas vergonhas. Também é difícil gostar de quem gosta da gente. Dá medo. Medo de errar. De pôr o pingo no A. E a pessoa que alegra-me descuidar de mim. Meditei tempos pra revelar a ela um secreto. Senti quentura na garganta, o olho esquentou com lágrimas embaçantes. Víamos a frota de navios com luzes, assemelhava uma cidade no meio do mar. Muitas atitudes são difíceis de explicar. Botar na cabeça de Deus que existe ateu, por exemplo. Nem todo Deus entende. Sei que até o presente ela é minha amiga. O futuro é mentira. Sem esperança. Amor. Confio.
.

15 de dez de 2008

.
Das muitas águas escorre sangue vencido
A terra vegetou por longos tempos
Tanto que desejou gordura
Satisfeita e decadente, invejou o oceano
Quis ser Deus por um momento
Firme inconstância do destino

No clima murmurado de Dezembro
Lástima de sol desgraça o vento
Chuva de poeta não mais existe
Veia inerte agora logra miscível
Sob a derme, resquício do que foi terra
Gosto pela gota do inverno
Do inferno
Pinga devastação

* * *

Vergo linha
Muito morno
Bebo catástrofe

Faca aguda
Pulso firme
(vocação nenhuma, Clarice)

Aterrado fica o corpo
Está o corpo
Que não habita mais
Não há mais fruto

A terra mesmo nos une?
.

13 de nov de 2008

O Sofá

;
O sofá da sala fez alguns anos
A vida que assenta
Não é a mesma que assentou
Foi conspurcado
Abusaram e deitaram no sofá
Não pediram
Ele não reclamou seu direito de sofá
Deitaram e abusaram do sofá
O quadro fixado na parede
Incomoda ninguém
Arte que virou enfeite
Provável se excluírem da sala
Deixe mais besta a parede
O tapete firma quem está de pé
Aquece e conforta
Luxo mal percebido
Nem importa de onde advindo
Pisado, quem trabalhou a trama não interessa
Está pronta e... paga?
A sala permanece notável
Enquanto a tv está ligada

Mas o lucro é do sofá
O sofá da sala que fez alguns ânus
0

30 de out de 2008

A quinta fase da Lua (parte 1)




A face negra da Lua


Que impressão causa ao homem o mistério das coisas?
O desconforto da curiosidade, a busca pela revelação?
A parte obscura da Lua me incomoda
Mas não me diz respeito
Que diferença faz?
Tenho quase certeza de que ela não se pergunta
Por que eu não resplandeço para ela me admirar
Mas a verdade é que tenho de desvendar
Esta folha em branco me diz muito mais coisas
Do que a obscuridade da face negra da Lua
Que nem sempre é negra
Mas hoje resolveu ser
Sou movido pela invisível motriz lunar
Por sua força, a maré esvazia cheia
Não há lado negro na Lua
Mas ela é branca porque tem um lado negro
Você só é bonita porque a outra é feia
Sem contraste não há beleza, não há divisão,
Não há artigo definido, não há ser, não há...
Que maldição seria o dia, não houvesse noite!
O que eu faria do seu amor, se não me sentisse só?
Eu o guardaria com carinho
No vento que passou
E nem mesmo respirei
Agora só estou certo porque tive dúvida
Mas, olhe, veja, não é monótona essa certeza?
Existe um impulso na onda da maré morna
Que quebra a calmaria da vida
E esse vetor é a morte
Observou?
Outro contraste!
Não há eternidade sem morte
Sem o homem não há Deus
Jesus está certo: o Diabo ou a cruz
Não posso ser os dois
A balança cosmogônica exige equilíbrio
Enquanto uns fazem filhos, outros matam
Do trapézio da vida, cuspo em tudo isso
E que o Diabo pegue a cruz e enfie!
.

14 de out de 2008

Telperion




Nada há.

A água do Caos
Rega a semente
Germina ser
Árvore

A raiz expande o Cosmos
Ara a terra
Se aprofunda no pó
Da morada sempiterna dos mortos
Surge a vida

De sua bela flor transcende a Lua,
musa fértil dos amantes,
das criaturas noturnas e
dos seres errantes

Cresce indiferente aos outros seres
Seu primeiro ramo
Almeja o Céu
Seu primeiro ramo
Nasce verde
Seu primeiro ramo
Morre cinza
No galho
Ermo
Do desvio

e quando tudo acaba
Fëanor seiva ser deus

aguarda





7 de set de 2008

Division Bell




Durante milhões de anos,

A humanidade viveu como os animais.

Aí algo aconteceu

Que libertou

O poder de nossa imaginação:

Aprendemos a falar

EGO


Angústia é fala entupida


Keep talking


))))ECHOES((((


Aglomerado

de

pólos


What do you want from me ................. tudo dito


…No time


Keep talking


I N C O M U N I C A B I L I D A D E


DESVALORAÇÃO ........................................... — My skin is cold!


Deterioração interna


WAR FOR TERRITORY


Keep talking


......................................................... há um

..................................................direito....... silêncio

..................................................pensar ...... a minha

..................................................consigo.....volta

.............................................................não

LOST WORDS

high hopeS

more sadnesS


The ringing of the division bell had began


É o homem que fechou a porta


Não precisa ser assim

Tudo que precisamos é continuar conversando

4 de set de 2008

.



E agora que o desespero de um futuro-dia
Finge não ter medo
Atrevo me olhar no espelho

Se oculta livre dentro do pulso
Um calibre nitrogenado

Omite sangrar mnemônico passado
Teima dizer: “tudo está bem, pelo menos você está vivo”
Qualquer desses dias
O mar pode molhar

Vejo a onda morrer
Perfeita!
Quebra alguma veia

Mergulho de uma verdade:
Você ainda pode sangrar

.

25 de ago de 2008

Assassínio

.
Os passos, agora, aumentam a firmeza, enquanto os veículos passam velozes ao meu lado. Continuo caminhando, medito metafísicas, sob a abóbada negra, pontilhada de soturnidades. O céu, como um espelho da alma, reflete o que sentimos, parece me acusar com suas estrelas a brilhar intermitentes. A cachaça cria névoa, embaça minha memória. Esqueço quem fui nas últimas horas. Agora, eu apenas sou... fruto do acaso.

O efeito do etanol começa a dissipar-se, as reminiscências vêm voltando vagarosas deixando-me inquieto, não gosto da sensação. Sinto-me prisioneiro em mim mesmo. Às vezes, saboreio um gosto de sangue mas gosto. Essas ruas repetidas é que me dão náusea

18 de ago de 2008

Duas da manhã

.
Deitada sem cochilo
Recorda
Uma lembrança voluntária:
O sofá dos dezessete...
A prima encolhida

(chatice de tempo recente)

O short jeans
Mãos debaixo do lençol
O toque
Goza dissoluta

(cratera temporal)

Vento sopra folha
Quem interferiu?
.

4 de ago de 2008

.
fu mar
..chá
vegeta
.folha
.mate
..nau
.vega
..can
...to
mares?
,

29 de jul de 2008

Fazenda de Crianças

As pessoas querem saber por que eu faço isso,
por que eu escrevo essas coisas tão horríveis.
Eu gosto de dizer a elas que eu possuo
o coração de um
.
garotinho, e eu o guardo
num pote em cima da minha escrivaninha.
King

Era um sábado de céu azul quando acordou com a máquina que bombeia o sangue batendo forte, suas mãos pareciam untadas de tanto suor, as pálpebras se recusavam a permanecer fechadas, retirou a coberta de sobre o corpo, levantou e caminhou até o banheiro, viu sua imagem no espelho e permaneceu alguns segundos imóvel olhando assustado para ela. Sua pele amarelada transpirava continuamente, as íris cor de mel estavam quase escondidas pelas pupilas dilatadas, como se houvesse usado cocaína. Abriu a torneira e jogou água no rosto a fim de despertar-se por completo.
Bento gostava de passar os finais de semana em seu sítio, em Terra Vermelha Dois, para descansar do estresse rotineiro que o afligia.
Quando saiu do banheiro, atravessou o corredor em direção a sala, o chão de taco escuro criava ao ambiente uma aparência soturna mesmo para um sábado de céu azul. Quando chegou à sala deparou-se com uma mesa de mogno, a qual não era rodeada por cadeiras, e, em cima dela havia uma criança deitada, era pálida e estava nua.
Minuciosamente Bento começou a trabalhar o cadáver. Primeiro ele incisava com o bisturi acima do esterno e traçava uma linha reta até a região pubiana, em seguida retirava tangencialmente o tecido epitelial, de forma que a pele saía inteiriça. Fazia isso como quem retira o excesso de pele de um frango, só que para Bento a pele era o principal.
Depois de retirada, a pele era cuidadosamente lavada e posta para secar. Dessarte, ele cosia as peças.
Quando terminou a extração, seguiu para outro cômodo da casa, este ficava atrás de uma falsa estante, que era na verdade uma porta. Abriu-a e acendeu a lâmpada. A casa era desenhada de tal forma que quem chegasse ali nunca desconfiaria de um cômodo escondido e ele era espaçoso, dentro tinha uma máquina de costura profissional, uma mesa de mármore e, do lado oposto, um guarda-roupas. Em cima da mesa havia diversas roupas: blusas, camisas, calças, gorros. Todos feitos com peles infantis.
.

24 de jul de 2008

.
O Senhor me possuiu no princípio de seus caminhos e antes de suas obras mais antigas. Desde a eternidade, fui ungida; desde o princípio, antes do começo da terra. Então, eu estava com ele e era seu aluno; folgando no seu mundo habitável e achando as minhas delícias com os filhos dos homens.

Pv. 8.22-23, 30-31

s.

No princípio, descobri a Sabedoria e avistei o infinito

...................Não consegui desvendá-lo e criei um Ser infindo

(Para culpar minha sabedoria, que não pude compreender)

...................Todavia, tentava obedecê-Lo e por saber que não podia

Concebi outro que perdoava e sangrava como eu

...................Por fim, pari o Fim destruindo-me, pois não sabia

Que, desde o início, aquele Ser vivia dentro de mim.
.

29 de jun de 2008

,
Independência

a vida vive sem mim
e eu morro sem ela.

,

20 de jun de 2008

,
beleza muda

boca assim bem rosadinha
como a boca que cê tinha
só não era tão bonita
quando a boca cê abria.

,

18 de jun de 2008

.
Absorvo a todos que convivo
Vivo com todos que absorvo
Sorvo tudo que está consigo
Sigo o mundo que está no outro.
.

15 de jun de 2008

Dizem que ser poeta é ver e sentir as coisas de modo diferente,
E perceber nos objetos a sensibilidade do impalpável.
Mas não é a rosa a poesia pura em si desnudada e visível a todos?
A flor não precisa do poeta para se tornar poesia, ela já o é!
Assim como o Amor não necessita de um alvo para que sua existência seja real.



Todo poeta é egoísta e digo que o meu poema é bom!
Pois como iria reclamar o mundo - se não gosto dele - com algo do mesmo nível?
Por isso digo: meu poema é altruísta e melhora o mundo!

10 de jun de 2008

Anatomia de uma poesia morena


,
Pernas

Dísticos verticais,
Seu destino é se cruzar.

Mão

Para nos tocar
Numa melodia,
Foi composta tão
Delicada quanto
Uma redondilha.

Boca

Como nave rósea
Me faz ascender
Ao céu onde prostro
Meu sacro desejo.

Com ela proclama
Benditos segredos
Oblados na cama.

Sopra minha nuca,
Morde minha alma,
Nina o meu jugo,
Parte minha carne

E imola a mim
Feito decassílabo
De versos partidos.
,

8 de jun de 2008

Três Tempos



Da janela
Lá de casa
Observava
Um felino
A miar
Será cio?
Será fome?
Se tem tara,
Eu não sei.
Que se dane
O bichano!
Mais me vale
Esse céu
De outono
Que colore
Com azul
Majestoso
O meu dia
Ocioso.

Mas agora,
Rubesceu.
Culpa de
Um pecado
De uma bunda
Empinada
Que passava
Rebolava
Me excitava
Balançando
Uma banda
Duas bandas
O bumbum
E passou...
E eu fiquei
Sem ninguém
Pra preen
Cher os meus
Olhos com
Tal prazer.

Escuri
Dão celeste,
Distancie
A ilusão
Que o dia
Me encobriu
Com luz e
Fealdade
Mostre que
Há beleza
Na pouca
Claridade
E esplendor
Na ausência
Do calor
Há na noite
Mais estrelas
Há na noite
Sem mentira
Um satélite
Fidelíssimo
Que me guia.
,

18 de mai de 2008

Como faço para transformar em arte o sentimento mútuo que sinto por ti? Não queria manter esta paixão, observar tua boca com desejo é um pecado, que omiti por meses, até mesmo de mim.
Teus olhos negros constroem um profundo abismo onde me precipício.
A ambigüidade de te amar e de te revelar segredos de outras paixões, falsas, me faz pensar o quanto todas elas são irrelevantes.
Teus lábios sempre úmidos dominam a direção de minha visão carnívora.
O que me deixa feliz nesse sorriso? O que me deixa contrito nessa amizade? A tua charmosa vaidade de ser sincera? A tua constante verdade que me desperta?
O fato que meu coração tem de encarar é que me apaixonei por minha melhor amiga.

30 de abr de 2008

Ideal

Caminha junto de mim um amor,
Que não é meu mas queria que fosse
Que pudesse ser perfeito e doce
E não mesclasse tanto amargor.

Quando me deito é nela que penso
Quando encerro as pálpebras só divago
Numa noite de um negro céu nublado
Onde repousarei deste lamento.

E tenho mesmo esta esperança
Confusa, que tanto me entontece:
Que a Dama não seja fraca e lânguida,
Que sua foice seja lépida e breve.

Caminha junto de mim uma dor
Ela é minha e eu quero que seja.
Meu único e verdadeiro amor:
A Morte, fim de todos os desejos.

22 de abr de 2008

Boa Viagem!






— Os balões flutuam — indicou o palhaço. — Aqui embaixo todos nós flutuamos. Logo seu amigo também estará flutuando.

Palhaço Parcimonioso - King



Júlia cantarolava baixinho acompanhando o rádio do carro, batia com as mãos no joelho ao ritmo da música. Pedro, seu irmão, vez em quando dava um jeitinho de implicar com a mana, ora fazia careta, ora mexia na barbie dela. Mas agora não, estava distraído olhando os eucaliptos que ladeavam a estrada.
- Beto, vai mais devagar, isso é um passeio.
Reduziu a velocidade e expirou forte no vidro já embaçado pela chuva fina que desaguava. Gostava da rotina que mantinha, bom emprego, família com saúde "é isso que importa" carregava essa frase como um mote a confrontar os infortúnios patéticos. Sim! Patéticos. Na verdade nem existiam.
Passaram por uma placa que avisava a aproximação de um posto com restaurante.
- Cleide, vou parar pra comer alguma coisa. Vão querer almoçar, crianças?
A Júlia foi a primeira a gritar que queria chocolate. Pedro preferia salgadinhos.
- Lamento, meninos, mas porcaria só depois do almoço. — ouviu-se um "aaahhh" e o Escort ganhou a entrada do posto.
Logo ao entrar no restaurante, um garçom informou que a comida havia acabado. A família seguiu para a loja de conveniência, como não tinha nenhum alimento nutritivo, chocolate e nem o salgadinho, compraram água e saíram murmurando.
Júlia não parava de reclamar seu chocolate. Pedro falava que ela nunca mais iria comer chocolate, que todos os chocolates do mundo haviam acabado. A garota desabava a chorar. De imediato a mãe consolava Júlia e brigava com o filho.
A viagem prosseguiu.
Após uma hora, aproximaram-se do pórtico de uma cidadezinha e Beto estacionou no acostamento. Do outro lado da rua, duas lanchonetes fechavam as portas. Beto ainda correu para falar com eles, mas baixaram as portas de aço com rapidez.
Atravessou o asfalto xingando e entrou no carro, pisou fundo.
Cinco horas se passaram, as crianças dormiam, outra cidade se aproximava. Avistou um McDonalds (o grande parcimonioso), finalmente iria comer. Sim! Um delicioso Big Mac. Ele grita emocionado:
— Hi-yo, Silver, VAAMMOOOS!
Desgovernado, vinha um carro na contra mão, Beto desvia, ainda empolgado com o palhaço da rede de fast-food, bate numa placa de sinalização Pare, que estranhamente se parte e é arremessada em direção ao pára-brisa, atravessa-o e pára ao decapitar Júlia. A cabeça rola e cai no colo de Pedro, que abre a porta e sai em disparada para a estrada. Um Monza o pega e o arremessa a uma longa distância onde uma carreta trafegava. O garoto cai embaixo dela, partes do corpo ficaram agarradas no pneu e mancharam o asfalto por cerca de cem metros deixando um colorido repugnante, como balões dentro do esgoto. O Monza derrapou na pista molhada e colidiu com sua frente na lateral do Escort, que quebrou a placa do McDonalds e a fez cair em cima de seus ocupantes.

18 de abr de 2008

Encanto Ausente


A vida fica mais constante a cada passo que dou, entre uma pernada e outra há uma infinidade de seres voláteis que reagem a minha indiferença e a sua conivência de aceitar sem sofreguidão, ódio, rancor ou mesmo um murmúrio que conteste essa mesmice de chegar em casa, sair de volta, querer casar, buscar à rota e no fim descobrir a verdade misantrópica que permanecerá calada até que tape os ouvidos, então, um novo sentido brotará como uma ligação iônica entre o seu neo-sensor e o Universo revelando a você o que ainda não se profetizou a mim.

24 de mar de 2008

Uma Tarde



Reconheci, pelos olhos, o sorriso
Só visto em foto de minha amiga
E confabulamos por várias horas
Até o triste matiz do arrebol.

Agora cresce uma má vontade
Em meu peito assaz contrito
Porque chegou a hora da partida,
Da distância longínqua sem alarde.

Na imensa lotação, observo e concluo:
Este lugar é um ermo platônico;
Devotado a Satanás está o mundo,
Oxalá Cthulhu viesse de Plutão!

É melhor o descaso ou a alienação?
Reme, meu peito, singre para longe
Do lacrau urbano e se lembre da feição
Amiga, que sempre será a fuga deste bonde.

18 de mar de 2008

Venda Transparente

O tempo em que não me preocupava
Com o dia futuro virou sonho
Agora a rotina é claustrofóbica
Cercada por paredes ocupacionais,
Lacrada por um teto de obrigações
E ao meu lado tem uma, duas,
Sete e quarenta e duas pessoas
Que não se vêem, mas se olham
E, nesta sala, o número é crescente
De vida, não sei se posso chamar de vida
A liberdade existe, contudo lhe aconselho
A não expressar o seu pensar
Pois a verdade já se definiu há dois mil anos,
E você?

14 de mar de 2008

Aniversário

Bem, hoje é Dia da Poesia e meu aniversário, ambos coincidem com o aniversário de Castro Alves, mas vou postar um poema do Pessoa.

No tempo em que festejavam o dia dos meus anos,
Eu era feliz e ninguém estava morto.
Na casa antiga, até eu fazer anos era uma tradição de há séculos,
E a alegria de todos, e a minha, estava certa com uma religião qualquer.

No tempo em que festejavam o dia dos meus anos,
Eu tinha a grande saúde de não perceber coisa nenhuma,
De ser inteligente para entre a família,
E de não ter as esperanças que os outros tinham por mim.
Quando vim a ter esperanças, já não sabia ter esperanças.
Quando vim a.olhar para a vida, perdera o sentido da vida.

Sim, o que fui de suposto a mim-mesmo,
O que fui de coração e parentesco.
O que fui de serões de meia-província,
O que fui de amarem-me e eu ser menino,
O que fui — ai, meu Deus!, o que só hoje sei que fui...
A que distância!...
(Nem o acho... )
O tempo em que festejavam o dia dos meus anos!

O que eu sou hoje é como a umidade no corredor do fim da casa,
Pondo grelado nas paredes...
O que eu sou hoje (e a casa dos que me amaram treme através das minhas lágrimas),
O que eu sou hoje é terem vendido a casa,
É terem morrido todos,
É estar eu sobrevivente a mim-mesmo como um fósforo frio...

No tempo em que festejavam o dia dos meus anos ...
Que meu amor, como uma pessoa, esse tempo!
Desejo físico da alma de se encontrar ali outra vez,
Por uma viagem metafísica e carnal,
Com uma dualidade de eu para mim...
Comer o passado como pão de fome, sem tempo de manteiga nos dentes!

Vejo tudo outra vez com uma nitidez que me cega para o que há aqui...
A mesa posta com mais lugares, com melhores desenhos na loiça, com mais copos,
O aparador com muitas coisas — doces, frutas, o resto na sombra debaixo do alçado,
As tias velhas, os primos diferentes, e tudo era por minha causa,
No tempo em que festejavam o dia dos meus anos. . .

Pára, meu coração!
Não penses! Deixa o pensar na cabeça!
Ó meu Deus, meu Deus, meu Deus!
Hoje já não faço anos.
Duro.
Somam-se-me dias.
Serei velho quando o for.
Mais nada.
Raiva de não ter trazido o passado roubado na algibeira! ...

O tempo em que festejavam o dia dos meus anos!...

12 de mar de 2008

Fotografia

























(...) Além disso, milagre, milagre mesmo, por mais que nos digam, não é boa coisa, se é preciso torcer a lógica e a razão das coisas para torná-las melhores.

José Saramago



O calcanhar - quase chegara a encostar o chão de barro seco - espera - inquieto e estático - a sola debruçar-se ao rés do solo para, assim, dar o seu derradeiro passo.

Uma corrente forte de ar ergueu a poeira vermelha fazendo-a girar no espaço vazio a deixar uma nódoa rubra - inerte - suspensa em nada.

O mesmo vento que soprou a terra fez balançar o baraço, por um átimo sufocante, mas logo o laço cessou seu movimento - inocente como uma criança de arma em punho que apesar de sua pureza ainda é fatal.

A Matéria permaneceu imóvel.
O condenado faleceu de outro modo.
(Ao pó não voltarás)
E o cadafalso permanece deserto.

27 de fev de 2008

Divórcio

quero dividir minha caneta
e com você compor uns versos
mas nesta linha de privilégios
você escandiu os nossos bens

12 de fev de 2008



Anônimo saiu destilado
À procura d'outra Eternit
Chuva expressão cinza
Mão lixa molhada
Na ferida da calça
Ruas sem rotina senão
Cão mijando no caos

31 de jan de 2008

e. e. cummings

Um político é um bundão sobre o qual
se sentou tudo exceto um homem.

26 de jan de 2008

Há dias que desejamos ficar sozinhos, eu quero estar todos os dias.
Sinto saudades do meu tempo de moleque; do tempo em que não me preocupava com meus sentimentos; tempo em que o importante era amar transitoriamente; tempo eterno em minha imaginação; tempo de mordidas agridoces, de perfumes palatinos, de amores instantâneos e de orgias lúdicas. Mas se até quem foi rei disse que não há nada de novo debaixo da noite estrelada quem sou eu para me orgulhar daqueles momentos eternizados em minha memória, e talvez só nela, na dos outros não.
A lembrança alheia não tem importância para ninguém, não quero saber o que está pensando, sinta apenas o que estou olhando e será feliz.

25 de jan de 2008

Reinus

Rei

Avisto dois pequenos montes morenos de solo fértil
Como portal firmado à entrada do palácio.
Teus lírios têm perfume estrogênico
E me rendo aos teus odores.

Rainha

Deixa-me sentir por miríades de gerações
O néctar viril jorrar de teu viçoso rio.
Ó, meu rei, não tenho mais terra para tanto gozo.

Freedom

Geografia confusa a nossa, querida
Não sei bem onde ficam as fronteiras
Quando o limite é violado.

23 de jan de 2008

À Emoção Que Nos Cega


A porta de vidro do meu quarto, que dá acesso a uma pequena varanda, fez um estralo esquisito, curioso é saber que a mesma é corrediça não podendo assim ser forçada pelo ímpeto do vento.
Havia acabado de fazer o meu lanche noturno quando me deitei. Era pouco mais de uma da manhã e o silêncio invadia meus pensamentos com imagens e sons claustrofóbicos, se é que imagem e som podem aceitar tal adjetivo. Não conseguia correlacionar àquelas troadas com as alucinações tétricas que me deixavam inquieto, e também não sentia coragem de me erguer da cama para examinar o “Corvo” que me assombrava.
Uma árvore balançava lá fora pela força da ventania, e meditei se acaso não eram pequenos galhos que se desprendiam dela e voavam à minha porta, entrementes, me lembrei que a planta estava muito longe de minha casa não havendo qualquer possibilidade de contato.
Então, lutei contra minha própria mente e contra os pensamentos que me sufocavam. Bem devagar, comecei a abrir os olhos. As pálpebras tinham o peso de Morfeu. O quarto estava escuro, porém, quando olhei para o lado em direção à porta, abaixo das escuras cortinas, uma luz cálida, vinda de um poste à rua, adentrava cerca de meio palmo o interior do aposento.
Continuei observando à expectativa de ver a sombra do infeliz ser que perturbava meu sono.
Dizem que o medo é uma das maiores fontes criadoras de Lendas e, àquela noite, eu senti que poderia criar uma.
Já quase cochilava olhando à porta quando uma sombra caminhou da esquerda para a direita, logo após fez o inverso. Meus olhos não queriam piscar, prendi o ar e observei atento.
Não sabia se dormia, talvez fosse um sonho, mas quem ou o quê dava origem ao vulto, não gerava mais barulho algum.
Tinha que me levantar e averiguar, era a única solução, mas isso partindo do pressuposto de um pragmático. Porém, quando se trata de um homem que em criança ouvira tantas estórias da carochinha; amante incondicional de filmes de terror; crente das dicotomias Céu e Inferno, Deus e Diabo; e aquela famosa frase: você nunca está sozinho, e me comprazia com tudo isso. A crença da existência de um universo paralelo é reconfortante, saber que este mundo não é o umbigo do Universo, muito mais.
Então, veja bem, eu não estava apenas com medo, mas, igualmente, curioso. Queria abrir as cortinas do meu quarto e encontrar o inesperado, o impossível, o sobrenatural.
O ruído parara havia já algum tempo. A sombra, porém, se ocultava e depois parecia flutuar.
Levantei-me, lento e silencioso como um gatuno, pé ante pé, a sombra parou de chofre. Continuei vagaroso em direção a ela e, com um movimento lépido, puxei a cortina e vi um toldo que estava mal colocado e o vendaval devia tê-lo feito descer um pouco de modo que ele balançava de um lado para o outro.

3 de jan de 2008

Recomeço

Ele procurava em meio às esverdeadas colinas, cobertas por gramíneas, ora subia e olhava de cima do monte a avistar melhor todo aquele imenso campo, ora descia quando julgava ter encontrado o que procurava.
Ela ergueu os olhos para o azul celeste, fechou um pouco as pálpebras cansadas e observou o céu desejando encontrá-lo. Talvez esperasse ele descer como um cristo para salvar à humanidade, mas nada acontecia. Tudo era esperança. Nada daquilo fazia sentido, percebeu que não ia durar muito e a Raça estaria enfim extinta.
Buscou no marulho, na brisa e na vastidão do mar almejar o que era fundamental para a vivência de uma espécie que aprendeu a nadar como os peixes, voar como a águia, mas, agora, tudo isso era inútil.
Os dois se encontraram próximo ao rio, que descia sereno e constante sob e sobre a trilha pedregosa e bela, que a cada instante mais esbelto tornava-se.
O olhar vazio de um tocou o triste do outro.
Sem esperança, continuaram a essencial caça ao tesouro mais precioso que o Homem já conhecera. Subiam montanhas, entravam em igrejas, contando com o milagre, percorriam cidades inteiras, campos, serras e praias. Por todos os lugares onde passavam viam um número cada vez maior de animais, mas nenhuma pessoa.
Porém, nunca encontraram e este foi o fim da espécie que não soube aproveitar o dom supremo que havia herdado. Quem sabe o Criador transportou este fenômeno abstrato para um planeta longínquo no continuum espaço-tempo, quiçá encontrou criaturas que davam o devido valor que ele merece.
Jamais saberão onde, quando e como o Amor findou-se, mas agora não adianta mais.

1 de jan de 2008

Palavras de Pórtico

"Navegadores antigos tinham uma frase gloriosa: 'Navegar é preciso, viver não é preciso'.
Quero para mim o espírito desta frase, transformada a forma para a casar com o que eu sou: Viver não é necessário; o que é necessário é criar".


Começou um novo ano
No calendário solar
E, como o maior Heterônimo,
O que mais desejo é criar.