26 de out de 2007





À margem, há mar
es trondosos
con toadas que
soam à-toa
mar orla
sob troa da
tempesta de
nu vem nubente
que pinga na pedra
sangue transpa
rente ao inverno
luar vernal vira
halo mar ginal

2 comentários:

Hanne Mendes disse...

Novamente ao jogo das palavras. Estamos sempre com as cartas na mão.
Abraço.

Adriana disse...

q legal, deu pra ouvir o balanço das ondas em cada verso, senti o cheiro de mar...e olha q estou em SP hein rsrss...
gostei da técnica, vou tentar esta um dia destes
bom final de semana !
www.poetisalancinante.blogger.com.br